Voltar à Coleção Completa de Cadernos Temáticos

Química de Fármacos

3_Qumica_de_Farmacos_small.jpg

Editorial

Corpo Editorial

Editorial

editorial.pdf editorial.pdf

Introdução à Química dos Fármacos

Eliezer J. Barreiro

Introdução

introd.pdf introd.pdf

Sobre a Química dos Remédios, dos Fármacos e dos Medicamentos

Eliezer J. Barreiro

fármacos, origem dos fármacos, química medicinal

Geralmente temos por hábito chamar os fármacos de remédios. Entretanto, a origem da palavra latina remediare significando remediar e não curar, exige que hoje em dia nos habituemos a chamá-los de fármacos ou medicamentos, sendo a distinção ao nível do princípio ativo, i.e. fármaco, que uma vez formulado traduz-se no medicamento que utilizamos. Esta denominação é a mais correta por traduzir melhor o papel desempenhado pelos fármacos disponíveis no arsenal terapêutico moderno, capazes de efetivamente curar, mais do que remediar. Exatamente para destacarmos este ponto intitulamos este artigo “Sobre a química dos remédios, dos fármacos e dos medicamentos”.

remedios.pdf remedios.pdf

A diversidade química das plantas como fonte de fitofármacos

Hélio de Mattos Alves

farmacognosia, metabolismo secundário, produtos naturais, fitoalexinas

Os vegetais são fontes importantes de substâncias biologicamente ativas. A diversidade, em termos de estruturas e propriedades químicas, na qual essas substâncias ocorrem na natureza podem servir, para o desenvolvimento de um grande número de fitofármacos. Este artigo tem como objetivo mostrar como a química dos produtos naturais pode contribuir para a produção de compostos vegetais biologicamente ativos, com ênfase, especial, naqueles que apresentam propriedades farmacológicas .

divers.pdf divers.pdf

Química Medicinal - As bases moleculares da ação dos fármacos

Eliezer J. Barreiro e Carlos Alberto Manssour Fraga

Resenha

Química Medicinal - As bases moleculares da ação dos fármacos, autores: Eliezer J. Barreiro e Carlos Alberto Manssour Fraga, pesquisadores do LASSBio, UFRJ. Formato: 21 x 28. ISBN: 85-7307-782-4. 243 páginas. http://www.artmed.com.br/

resenha.pdf resenha.pdf

A Importância da Síntese de Fármacos

Ricardo Menegatti, Carlos Alberto Manssour Fraga e Eliezer J. Barreiro

fármacos sintéticos, aspectos históricos da síntese de fármacos

Tendo em vista a importância dos fármacos de origem sintética dentro do mercado terapêutico, discutimos neste trabalho aspectos históricos da síntese de fármacos desde a aspirina®, primeiro fármaco sintético, evoluindo com outros exemplos de fármacos estruturalmente diversos, até um dos exemplos mais recentes, o sildenafil (viagra®).

sintese.pdf sintese.pdf

Fármacos e Quiralidade

Fernando A. S. Coelho

fármacos, quiralidade, síntese assimétrica, ibuprofeno, captopril

Nesse artigo discutimos a relação da quiralidade com o efeito farmacológico dos fármacos. Apresentamos também a forma de interação desses fármacos em um organismo animal (biofase) e as respostas biológicas associadas a essa interação. Para facilitar a compreensão do assunto, definiremos alguns conceitos básicos de estereoquímica e em seguida os aplicaremos às moléculas de alguns fármacos. Para finalizar, mostramos alguns métodos de preparação de fármacos com centros assimétricos em sua estrutura vendidos em farmácias brasileiras.

quiral.pdf quiral.pdf

Razões da Atividade Biológica: Interações Micro- e Biomacro-moléculas

Carlos Alberto Manssour Fraga

interação fármaco-receptor, forças de interação, reconhecimento molecular

As interações de um fármaco com o seu sítio de ação no sistema biológico ocorrem durante a chamada fase farmacodinâmica e são determinadas por forças intermoleculares: interações hidrofóbicas, polares, eletrostáticas e estéricas. Considerando os possíveis modos de interação entre o fármaco e a biofase, podemos classificá-los de maneira genérica em dois grandes grupos; estruturalmente inespecíficos e estruturalmente específicos.

atividde.pdf atividde.pdf

Processos Modernos no Desenvolvimento de Fármacos: Modelagem Molecular

Carlos Rangel Rodrigues

modelagem molecular, mecânica molecular, semi-empírico, HIVPR

A modelagem molecular é uma ferramenta importante no desenvolvimento de fármacos. Neste trabalho, descrevemos os dois principais métodos empregados na elaboração de programas de modelagem molecular: métodos de mecânica molecular e métodos semi-empíricos. A enzima HIV protease (HIVPR) foi selecionada como alvo terapêutico para mostrar como a modelagem molecular pode ser utilizada no planejamento racional de novos inibidores de HIVPR.

modelag.pdf modelag.pdf


Voltar à Coleção Completa de Cadernos Temáticos
 
on-line ISSN 2175-2699
impreso ISSN 0104-8899
Apoio a Projetos
CNPq